Bertioga recebe R$ 2,3 milhões destinados a projetos de infraestrutura urbana e saneamento básico

Bertioga está entre as nove cidades da Baixada Santista que foi beneficiada com recursos garantidos pelo Ministério Público Federal (MPF), após acidente ocorrido em 2017, causando danos ambientais no litoral paulista. O Município foi contemplado com 2,3 milhões de reais, o maior valor repassado à região, destinado a dois projetos de microdrenagem da Cidade.

O recurso beneficiará diversas ruas dos bairros Indaiá e o loteamento Vista Alegre, situado no bairro Vista Linda, com melhorias para a infraestrutura urbana e saneamento básico. As obras vão garantir a captação e direcionamento correto da água da chuva, evitando que chegue ao sistema de esgotamento sanitário e contamine as praias.

Além disso, a nova rede de escoamento impedirá possíveis alagamentos. Essa é uma ação conjunta entre a Secretaria de Meio Ambiente e a Secretaria de Obras e Habitação de Bertioga.

Entre as vias contempladas do Indaiá estão as avenidas Sabino Abdalla, Telégrafo e Dr. Fausto Guimarães Sampaio e as ruas David Pimenta, Professora Sueli A. dos Santos, Oswaldo Oliva, João de Castro M. Alegre, Luiz Alonso Peres e a Rua Professora Diva Fialho Duarte.

Já as do Vista Linda são: Avenida Emancipador Diney Lyra, ruas Aprovada 136, Professor Eitel Boller Mehler, Administrador Paulo Roberto de Matos, Jornalista Oscar Menezes Barbosa, Dr. Armando Nacarato, Aprovada 142, Artur Heinrich Arndt, Jornalista Candido Hernandez, Alcyr Correa de Mello, Peirão de Castro, Jaime Franco, Eduardo de Magalhães Gama, João de Jesus Henriques Júnior e a Rua Alexandre Mariani.

Sobre a verba

O Ministério Público Federal assegurou que cerca de R$ de 40 milhões chegassem às cidades da Baixada Santista. A verba contempla projetos ambientais dos municípios e os órgãos estaduais, como o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar Ambiental.

Os valores foram destinados pelo Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), firmado entre a Log-in Logística Intermodal S.A. e o MPF no ano passado. A empresa é responsável pelos 47 contêineres de um navio que caíram no mar, em 2017, enquanto aguardava entrada no porto de Santos.