Fornecimento de absorventes em escolas públicas e postos de saúde é aprovado pela Câmara de Ilhabela

A proposta, que é de autoria da presidente do Legislativo, vereadora Diana Matarazzo, conscientiza que além dos impactos na educação e na saúde física, a falta de acesso aos produtos menstruais adequados por carência financeira também causa grande impacto na saúde mental das mulheres

Foi aprovado, por unanimidade, pelos vereadores de Ilhabela durante Sessão Ordinária realizada na última terça-feira (17/08), o Projeto de Lei 01/2021, que prevê o fornecimento de absorventes para mulheres nas escolas públicas e postos de saúde do município.

A proposta, que é de autoria da Presidente da Câmara, vereadora Diana Matarazzo, tem como objetivos reduzir a evasão escolar de alunas em período menstrual por falta de recursos para aquisição de absorventes; evitar prejuízos e à aprendizagem e ao rendimento escolar motivado pelas faltas em período menstrual; além de prevenir doenças causadas pela higiene inadequada no período menstrual em mulheres que não dispõem de condições financeiras para comprar absorventes todos os meses. A propositura também conscientiza que além dos impactos na educação e na saúde física, a falta de acesso aos produtos menstruais adequados por carência financeira também causa grande impacto na saúde mental das mulheres, que passam a ver a menstruação de forma negativa e não como um sinal de saúde.

Embora seja item de saúde necessário, os absorventes ainda são considerados artigo de luxo para muitas mulheres que não têm acesso a eles por falta de condições financeiras. Essa pobreza menstrual é uma situação enfrentada por muitas meninas e mulheres em todo o mundo. A pobreza menstrual é a falta de acesso a produtos de higiene menstrual, de infraestrutura sanitária adequada em casa e na escola e de conhecimentos necessários para esse período do ciclo reprodutivo. 

Diana ressaltou que essa realidade gera grande risco à saúde dessas mulheres, que muitas vezes utilizam recursos menstruais inadequados, causando infecções graves. A pobreza menstrual também provoca grande impacto na educação, sendo que muitas alunas, por não terem acesso a esses produtos, faltam às aulas durante todo o período menstrual.

“O fornecimento de absorventes, além de relevante para a educação e para a saúde das mulheres, também é uma forma de dar dignidade a elas. Hoje comemoro a aprovação desse projeto e fico feliz que temos nesta Casa, oito homens que apoiam projetos voltados a mulheres. E agora vamos aguardar o posicionamento do Executivo”, enfatizou a autora da proposta.

A vereadora presidente ainda garantiu que seguirá lutando para que as mulheres tenham voz e reconhecimento na sociedade, e para mitigar os efeitos do machismo, que infelizmente ainda são encontrados nos dias de hoje.