Projeto da assistência jurídica para pessoas de baixa renda de Caraguatatuba é aprovado

O projeto de lei complementar que disciplina o serviço de assistência jurídica destinado às pessoas de baixa renda no município, de autoria do prefeito Aguilar Junior, foi aprovado na sessão da última terça-feira (28/06) da Câmara de Caraguatatuba.

A lei complementar cria o serviço de assistência jurídica gratuita suplementar às atribuições da Defensoria Pública para a população de baixa renda de Caraguatatuba.  A proposta caracteriza como pessoa de baixa renda quem tem rendimento familiar de até três salários mínimos (R$ 3.636); não seja proprietária, titular de aquisição, herdeira, legatária ou usufrutuária de bens móveis, imóveis ou direitos com valores que ultrapassem 5 mil Unidades Fiscais do Estado de São Paulo (Ufesp), montante equivale a R$ 150.850; e não possua recursos financeiros em aplicações ou investimentos em valor acima de R$ 14.544 (12 salários mínimos).

O serviço gratuito será coordenado pela Secretaria de Assuntos Jurídicos, por meio do Departamento de Assistência Jurídica Municipal. A Prefeitura e a Ordem dos Advogados do Brasil de Caraguatatuba (OAB/SP – 65ª Subseção de Caraguatatuba) celebrarão convênio para o oferecimento da assistência jurídica gratuita ao público-alvo.

Para usufruir do benefício, o interessado preencherá um questionário de avaliação da situação econômico-financeira e apresentará documentação comprobatória para análise do Departamento de Assistência Jurídica Municipal.

Servidores públicos que não tenham constituído advogado para defendê-los em sindicâncias ou processos administrativos em trâmite no Departamento Ético-Disciplinar da Secretaria da Administração e atendam aos requistos da referida lei, poderão solicitar à assistência gratuita.

Com a aprovação da emenda aditiva do presidente da Câmara, Renato Leite Carrijo de Aguilar, o serviço recebeu o nome do ex-tesoureiro da Ordem dos Advogados do Brasil de Caraguatatuba, Henrique Manoel Alves, falecido em maio deste ano.

Na avaliação do secretário de Assuntos Jurídicos, Sandro Albok, o projeto é fundamental. “Eu não tenho dúvidas de que este é um projeto de suma importância e com a sua aprovação aqui na Câmara fará história já que ele é um projeto que visa ajudar cada vez mais a população de Caraguatatuba que necessita de assistência judiciária”, disse.

A Câmara de Caraguatatuba promoveu duas audiências públicas nos dias 22 e 23 de junho para discutir a proposta, com transmissão pelo site www.camaracaragua.sp.gov.br e canal da Câmara no YouTube.