São Sebastião confirma primeiro caso de Varíola dos Macacos

 Prefeitura de São Sebastião, por meio da Secretaria de Saúde (SESAU), confirmou, nesta segunda-feira (9), o primeiro caso de Varíola do Macaco (Monkeypox) em um morador do município.

O paciente procurou a unidade de saúde com sintomas característicos da doença, foi coletado exame e enviado ao Instituto Adolf Lutz. A equipe de saúde orientou o paciente a permanecer em isolamento e realizou busca ativa dos contactantes, os orientando a procurar os serviços de saúde caso apareça algum sintoma.

A SESAU alerta que, em caso de suspeita, o paciente deve procurar o serviço de saúde para avaliação e conduta médica e que, diante de suspeita clínica, receberá o devido isolamento e coleta de material para o diagnóstico.

A Vigilância Epidemiológica alerta que é importante observar o histórico de viagem para país endêmico ou com casos confirmados de Monkeypox nos 21 dias anteriores ao início dos sintomas, contato íntimo com desconhecidos e/ou parceiros casuais, ou, ainda, vínculo epidemiológico com caso suspeito, provável ou confirmado da doença.

O que é a Variola do Macaco?

Doença transmitida pelo vírus monkeypox, que pertence ao gênero orthopoxvirus. É considerada uma zoonose viral (o vírus é transmitido aos seres humanos a partir de animais) com sintomas muito semelhantes aos observados em pacientes com varíola, embora seja clinicamente menos grave.

Sintomas

A Organização Mundial de Saúde (OMS) descreve quadros diferentes de sintomas para casos suspeitos, prováveis e confirmados. Passa a ser considerado um caso suspeito qualquer pessoa, de qualquer idade, que apresente pústulas (bolhas) na pele de forma aguda e inexplicável. Se este quadro for acompanhado por dor de cabeça, início de febre acima de 38,5°C, linfonodos inchados, dores musculares e no corpo, dor nas costas e fraqueza profunda, é necessário fazer exame para confirmar ou descartar a doença.

 Prefeitura de São Sebastião, por meio da Secretaria de Saúde (SESAU), confirmou, nesta segunda-feira (9), o primeiro caso de Varíola do Macaco (Monkeypox) em um morador do município.

O paciente procurou a unidade de saúde com sintomas característicos da doença, foi coletado exame e enviado ao Instituto Adolf Lutz. A equipe de saúde orientou o paciente a permanecer em isolamento e realizou busca ativa dos contactantes, os orientando a procurar os serviços de saúde caso apareça algum sintoma.

A SESAU alerta que, em caso de suspeita, o paciente deve procurar o serviço de saúde para avaliação e conduta médica e que, diante de suspeita clínica, receberá o devido isolamento e coleta de material para o diagnóstico.

A Vigilância Epidemiológica alerta que é importante observar o histórico de viagem para país endêmico ou com casos confirmados de Monkeypox nos 21 dias anteriores ao início dos sintomas, contato íntimo com desconhecidos e/ou parceiros casuais, ou, ainda, vínculo epidemiológico com caso suspeito, provável ou confirmado da doença.

O que é a Variola do Macaco?

Doença transmitida pelo vírus monkeypox, que pertence ao gênero orthopoxvirus. É considerada uma zoonose viral (o vírus é transmitido aos seres humanos a partir de animais) com sintomas muito semelhantes aos observados em pacientes com varíola, embora seja clinicamente menos grave.

Sintomas

A Organização Mundial de Saúde (OMS) descreve quadros diferentes de sintomas para casos suspeitos, prováveis e confirmados. Passa a ser considerado um caso suspeito qualquer pessoa, de qualquer idade, que apresente pústulas (bolhas) na pele de forma aguda e inexplicável. Se este quadro for acompanhado por dor de cabeça, início de febre acima de 38,5°C, linfonodos inchados, dores musculares e no corpo, dor nas costas e fraqueza profunda, é necessário fazer exame para confirmar ou descartar a doença.